sexta-feira, 15 de agosto de 2014

MUNDIAL MILITAR: TETRACAMPEÃES

Seleção Militar tetracampeã Mundial. Renatinha é MVP  
Foto: Sd Rafel Chagas/CCFEx

O Brasil conquistou o título de Campeã do 15º Campeonato Mundial Militar Feminino de Voleibol do CISM, disputado no Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx), na Urca (Rio de Janeiro). De virada, sobre a China, as comandadas do técnico Anderson Rodrigues venceram por 3 a 2, parciais de 19-25, 23-25, 30-28, 25-23 e 15-11.
O Sargento e técnico Anderson Rodrigues é um velho conhecido do Vôlei Mundial. Campeão Olímpico com a seleção principal em 2004, Anderson também defendeu a Seleção Militar Masculina como atacante, mas esse ano resolveu se tornar técnico. "Foi uma experiência muito marcante, pois perdíamos de 2 sets a 0 e viramos. Como jogador defendendo a Seleção é mais fácil, eu ia lá e executava. Mas como treinador eu tinha que fazer elas entenderem como executar", comentou o auxiliar técnico do Camponesa/Minas na Superliga. 

"Eu estou, mais do que tudo, na profissão certa. Eu adoro desafios e foi uma estreia ótima em uma seleção. Foi emocionante essa conquistas, uma das mais difíceis da minha vida. Mas sei que não será a última", concluiu.

Entre as selecionáveis, a levantadora Claudinha deu um toque de qualidade no grupo brasileiro tetracampeão mundial. "Ser militar é uma honra mesmo que temporariamente. O que aprendi aqui até agora vou levar pra minha carreira e pra minha vida", disse a levantadora. " No mundial sabíamos que o adversário a ser batido era a China, que até escondeu o jogo na fase de classificação. Nos primeiros sets fomos muito mal, mas conseguimos nos recuperar e virar o jogo. O time todo está de parabéns", comemora a jogadora que vestirá a camisa do Sesi-SP essa temporada.


Outro destaque da equipe foi a oposto Renatinha Colombo, que logo em seu primeiro ano de incorporação, já foi eleita a Melhor Jogadora do Mundial. "Estou muito feliz com a vitória sobre a China e poder fazer parte dessa Seleção. Foi um jogo muito difícil, mas assim é mais gostoso né?!", brincou a jogadora. "Ser eleita a MVP da competição foi demais, uma emoção que não sei como explicar", vibrou a jogadora do E.C.Pinheiros.

Durante a partida os militares fizeram uma homenagem ao técnico Bebeto de Freitas, da “Geração de Prata”, em referência à histórica Medalha de Prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984, que completou 30 anos em agosto.

Foto 2 e 3: Marcos Hirose

fonte: melhor do volei

GRAND PRIX 2014: O BRASIL VIRA E VENCE OS EUA NOVAMENTE

Divulgação/FIVB

A seleção brasileira feminina de vôlei está na fase final do Grand Prix. Nesta sexta-feira (15.08), o Brasil venceu, de virada, os Estados Unidos por 3 sets a 2 (29/31, 22/25, 25/22, 25/19 e 15/10), em 2h24 de jogo, no Indoor Stadium Huamark, em Bancoc, na Tailândia. O time verde e amarelo, atual campeão, está no grupo G, que além das americanas, tem a República Dominicana e as donas da casa. 

Com o resultado, as atuais campeãs olímpicas chegaram a 20 pontos e garantiram um lugar entre as seis melhores equipes da competição. A China está em segundo lugar, com 16, e a Turquia em terceiro, com 13.
As brasileiras voltarão à quadra às 4h (horário de Brasília) desse sábado (16.08) para enfrentar a República Dominicana, que hoje foi superada pela Tailândia por 3 sets a 1. O SporTV transmitirá ao vivo. 

No jogo contra os Estados Unidos, a central Thaísa teve atuação destacada e foi a maior pontuadora entre as brasileiras, com 23 pontos (17 de ataque, cinco de bloqueio e um de ataque). A oposto Sheilla também pontuou bem, com 20 acertos. As ponteiras Fernanda Garay e Jaqueline fizeram 14 e 13 pontos, respectivamente. Apesar da derrota, as americanas tiveram a maior pontuadora do confronto, a oposto Murphy, com 26 acertos. 

A bicampeã olímpica Thaísa fez questão de destacar a união do grupo brasileiro durante todo o confronto contra os Estados Unidos. 

"Começamos o jogo errando muito. Quando passamos a trabalhar a bola e tivemos mais paciência nos contra-ataques, o jogo começou a melhorar para nós. Nosso time está de parabéns pois mostrou força em um momento difícil. Viramos a partida contra uma equipe muito forte. Foi a vitória de um grupo", destacou Thaísa. 

A oposto Sheilla fez uma análise da atuação das brasileiras contra as americanas.
"A partir do terceiro set, começamos a cometer menos erros. Nesse momento, toda a equipe cresceu de produção e o nosso jogo apareceu. Ainda precisamos evoluir, mas estamos no caminho certo. O grupo hoje está de parabéns pela atitude apresentada em um momento difícil", analisou Sheilla.

O treinador José Roberto Guimarães destacou o momento crucial da partida para o time verde e amarelo. 

"Nosso time arriscou bastante nos contra-ataques em um momento que os Estados Unidos estavam muito armados tanto no bloqueio como na defesa. A partir do terceiro set, começamos a trabalhar mais as bolas, não arriscamos tanto, e tivemos uma qualidade tática melhor. Nessa hora, nosso time passou a se movimentar com mais eficiência, o saque passou a entrar e contra-atacamos com mais eficiência. Saímos de uma situação muito difícil hoje e estamos classificados".

O JOGO

A partida começou equilibrada. O Brasil foi à primeira parada técnica com dois de vantagem (8/6). Quando as brasileiras fizeram 11/7, o técnico norte-americano Karch Kiraly pediu tempo. Sheilla se destacou no ataque e as atuais campeãs olímpicas seguraram a diferença no placar (14/10). Com ace da ponteira Larson, os Estados Unidos encostaram (15/13). Bem no bloqueio, as americanas deixaram tudo igual no marcador (16/16). O final da parcial foi emocionante e os Estados Unidos levaram a melhor por 31/29. 

O técnico José Roberto Guimarães trocou as ponteiras no início do segundo set. Entrou Natália e saiu Fê Garay. Bem no bloqueio e no saque, os Estados Unidos abriram seis (12/6). O técnico José Roberto Guimarães inverteu o cinco e um. Entraram Fabíola e Andréia e saíram Sheilla e Dani Lins. Bem nos contra-ataques, as brasileiras encostaram (17/15). Os Estados Unidos foram melhores no final da parcial e venceram o segundo set por 25/22. 

O Brasil voltou melhor para o terceiro set e fez 5/2. Bem no bloqueio, os Estados Unidos encostaram (7/6). As atuais campeãs olímpicas foram para o segundo tempo técnico com dois de vantagem (16/14). O time verde e amarelo segurou a vantagem até o final da parcial e venceu o set por 25/22. 

O quarto set começou equilibrado. Com um bom ataque da ponteira Fê Garay, o Brasil abriu dois (6/4). Se aproveitando dos erros das brasileiras, os Estados Unidos empataram (10/10). O set ficou disputado ponto a ponto. O time verde e amarelo foi para o segundo tempo técnico com um de vantagem (16/15). Bem no ataque, o Brasil voltou a abrir no marcador (19/16). As atuais campeãs olímpicas seguiram melhores e fecharam a parcial por 25/19. 

O início do quinto set foi marcado pelo equilíbrio. O saque brasileiro dificultava a recepção das norte-americanas e o Brasil fez 8/5. O time verde e amarelo seguiu na frente durante todo o tie-break e venceu a parcial por 15/10 e o jogo por 3 sets a 2. 

EQUIPES

BRASIL – Dani Lins, Sheilla, Jaqueline, Fê Garay, Thaísa e Fabiana. Líbero – Camila Brait
Entraram: Fabíola, Andréia, Natália e Tandara 
Técnico: José Roberto Guimarães

ESTADOS UNIDOS – Alisha Glass, Murphy, Larson, Robinson, Adams e Akinradewo. Líbero – Kayla
Entraram: Hill, Lichtman, Thompson e Dixon
Técnico – Karch Kiraly 

fonte: cbv

GRAND PRIX 2014: PORTO RICO CAI DIANTE DA HOLANDA

Divulgação/FIVB

Dona da melhor campanha da fase classificatória do Grupo 2 do Grand Prix, a Holanda confirmou as expectativas e garantiu um lugar na grande decisão do Final Four, agendada para este sábado (16). O próximo obstáculo é a surpreendente Bélgica, que deixou a Polônia pelo caminho.

Na semifinal desta sexta-feira (15), Flier, De Kruijf e companhia tiveram pela frente Porto Rico, da oposta Karina Ocasio, em grande fase. Mas só a camisa 11, responsável por 24 pontos, não foi o bastante para as caribenhas chegarem mais longe no torneio. Aurea Cruz bem que tentou ajudar com 19 acertos.

Em 1h49, a Holanda fez 3 sets a 1 (22/25, 31/29, 25/20 e 25/12) e garantiu um lugar na briga pelo título. Plak, com 13 pontos, foi a maior pontuadora da Laranja. Quem sair campeão do duelo entre holandesas e belgas, em Koszalin (POL), avança à Fase Final em Tóquio (JAP).

fonte: saque viagem

GRAND PRIX 2014: BÉLGICA TIRA A POLÔNIA DA FINAL

Divulgação/FIVB

Contavam a favor da Polônia a maior tradição, a experiência em jogos decisivos e a torcida de Koszalin (POL). Mas como fazer a Bélgica temer tudo isso? Só os fatores externos não bastaram. Muito menos a camisa.

Contra uma seleção que foi superior em todos os sentidos, as donas da casa viram as chances de chegar à Fase Final do Grand Prix se esvaziarem ao perderem a semifinal do Grupo 2, nesta sexta-feira (15).

Com direito a um set inteiro assinado por Van Hecke, a Bélgica cravou gigantes 3 a 0, com parciais de 25/19, 25/16 e 25/15. Um placar de respeito a uma seleção que cresceu no cenário internacional há bem pouco tempo. 

E as belgas podem escrever um capítulo ainda maior de sua história. Neste sábado (16), no mesmo palco, decidem com Holanda ou Porto Rico o Final Four. Se forem campeãs, ganham o direito de se juntar à elite do torneio em Tóquio (JAP). 

fonte: saque viagem

GRAND PRIX 2014: TAILÂNDIA VENCE A REPÚBLICA DOMINICANA

Divulgação/FIVB

Sem qualquer chance de chegar à Fase Final do Grand Prix, Tailândia e República Dominicana protagonizaram um jogo movimentado em Bangkok (TAI), nesta sexta-feira (15), na abertura da terceira e última semana da etapa classificatória.

E quem se deu melhor foi a seleção da casa. Com direito a 22 pontos da baixinha Onuma, a Tailândia fez a alegria dos torcedores ao marcar 3 sets a 1, parciais de 25/17, 25/23, 20/25 e 25/22.

Destaque também para o saque das asiáticas, que complicou demais a vida das caribenhas. Com isso, as comandadas de Marcos Kwiek não tiveram o aproveitamento esperado nos outros setores. Martinez, com 18 pontos, foi a maior pontuadora.
 
Com a segunda vitória em sete jogos, a Tailândia chegou a cinco pontos e passou a lanterna para a República Dominicana, com três tentos e seis derrotas. Os dois elencos só cumprem tabela.

Neste sábado (16), na penúltima rodada da Fase Intercontinental, as dominicanas têm a dura missão de encarar o Brasil. A vida das tailandesas não deve ser menos difícil. O próximo compromisso é com os Estados Unidos.

fonte: saque viagem

GRAND PRIX 2014: ALEMANHA DERROTA A TURQUIA E ENTRA NO G-4

Divulgação/FIVB

As chances da Alemanha viajar para Tóquio (JAP), cidade que sedia a Fase Final do Grand Prix, aumentaram consideravelmente nesta sexta-feira (15), após o confronto com a Turquia em Kaliningrado (RUS). E graças à inspiração da oposta Kozuch, que atacou tudo que foi bola para dar a vitória ao time de Giovanni Guidetti.
 
Em um confronto bastante disputado, as germânicas comemoraram o resultado após 2h05 de partida, encerrada em 3 sets a 1 e parciais de 20/25, 36/34, 25/20 e 25/22. A bela virada contou ainda com a participação preciosa de Pettke no bloqueio. Ao todo, a camisa 13 da Alemanha parou quatro ataques das rivais.

Mas ninguém brilhou tanto no fundamento quanto Akman, que dominou a rede turca. Foram dez pontos de bloqueio, dos incríveis 21 marcados pela seleção de Massimo Barbolini. O problema foi que as turcas não tiveram o mesmo apetite no setor ofensivo. Diferente das alemãs que, mesmo diante da marcação pesada, pontuaram bem. Kozuch deixou o duelo com a soma de 24.

Com o quarto triunfo em sete jogos, a Alemanha alcançou os 11 pontos e tomou o quarto lugar da Sérvia. A Turquia, apesar do revés, seguiu em terceiro, fruto dos 13 tentos. Para não deixar a zona classificatória à Fase Final, Kozuch e companhia precisam derrotar a Itália neste sábado (16), enquanto a turma de Ozsoy tem pela frente a Rússia, a mandante da etapa.

 fonte: saque viagem

CARCACES É ANUNCIADA PELO MOLICO/OSASCO

  Cubana Kenia Carcaces é anunciada pelo Molico/Osasco  
Créditos: Divulgação

Chegou ao Brasil nesta quinta-feira a última contratada do Molico/Osasco para a temporada 2014/15. Trata-se da cubana Kenia Carcaces, de 28 anos, e que estava atuando no Volero Zurich, da Suíça. Campeã dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro e medalha de prata em Guadalajara-2011, Carcaces chega ao time de Osasco com muita vontade de jogar e motivada para atuar no campeonato que considera um dos mais fortes do mundo. 

“Atualmente o Brasil tem uma das melhores Ligas do mundo e isso influenciou na minha decisão. Estou muito feliz por ter acertado com o MOLICO/Osasco e tenho certeza que será uma experiência impressionante. Agradeço ao clube por ter me contratado e por me dar a oportunidade de apresentar meu voleibol aos torcedores brasileiros. Sempre gostei bastante do povo brasileiro e tenho muita curiosidade para conhecer a nossa torcida”, disse Carcaces.

Carcaces se considera uma privilegiada de poder atuar ao lado de jogadoras como Thaisa, Adenízia, Camila Brait, Dani Lins e Mari. “Para mim é incrível poder jogar com essas jogadoras. Já tive a oportunidade de jogar contra elas quando defendia minha seleção, mas agora vamos estar juntas na mesma equipe. É um privilégio jogar em um clube com jogadoras de excelente nível e me sinto realmente emocionada com essa oportunidade”.

A jogadora revela que tomou sua decisão rapidamente quando soube da proposta da equipe comandada pelo técnico Luizomar de Moura. “Já tive algumas conversas com o Luizomar e o primeiro contato foi lá na Suíça durante o Mundial, mas naquele momento não conversamos sobre isso porque estávamos em competição. Depois tive a possibilidade e não pensei duas vezes em aceitar e estou aqui para ajudar a equipe, para jogar voleibol e para atender todas as necessidades do clube. Quero fazer sempre o meu melhor”.

Além das medalhas Pan-Americanas, Carcaces defendeu a Seleção de Cuba nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, jogou e foi campeã do Campeonato Japonês de 2005/06, foi bicampeão do Campeonato Suíço (2013 e 2014) e foi eleita a melhor ponteira das edições de 2013 e 2014 do Mundial de Clubes. Com a chegada de Carcaces, o MOLICO/Osasco fecha seu elenco com 14 jogadoras. São elas: Dani Lins, Mariana Nardi e Diana (levantadoras), Mari, Carcaces, Samara e Gabi (ponteiras), Lara, Marjorie, Thaisa e Adenízia (centrais), Ivna (oposta), Camila Brait e Dani Terra (líberos).

fonte: melhor do vôlei

GRAND PRIX 2014: A RÚSSIA FAZ 3 A 1 NA ITÁLIA

Préu Leão

A Rússia fez as pazes com a vitória na Fase Intercontinental do Grand Prix. Depois de passar em branco durante toda a etapa São Paulo, o time de Yury Marichev contou com o braço pesado de Kosheleva (18 pontos) e Goncharova (16) para despachar a Itália, nesta sexta-feira (15), em Kaliningrado (RUS).

Com direito a uma virada das anfitriãs, o clássico durou 1h44 e terminou com o placar de 3 sets a 1, parciais de 25/27, 25/19, 25/19 e 25/18. Se não bastasse o ataque ter feito a diferença, o que não aconteceu no ginásio do Ibirapuera, a Rússia teve o bloqueio a seu favor.

E quem sofreu foi o ataque da Azzurra. Apenas Centoni conseguiu desafogar Ferretti e marcou 14 pontos, números que fizeram dela a maior pontuadora do time. A equipe de Marco Bonitta, porém, sentiu a força das rivais e cedeu 27 pontos em erros.

Erros que resultaram no terceiro revés, em sete jogos, e nos mesmos dez pontos de antes da rodada. As russas, ao contrário, enfim saíram dos sete e chegaram aos dez, empatando com a própria Itália e os Estados Unidos na disputa pelo sexto lugar. Ambos têm chances de classificação.

Neste sábado (16), novamente em Kaliningrado, Goncharova e companhia têm confronto decisivo com a Turquia, em terceiro lugar. Se vencerem, entram de vez na briga por uma vaga na Fase Final. A trupe de Centoni também encara uma decisão com a Alemanha, a atual quarta colocada.

fonte: saque viagem

GRAND PRIX 2014: O JAPÃO VENCE A SÉRVIA

Divulgação/FIVB

O Japão não vinha de uma boa campanha no Grand Prix. Em seis jogos, tinha uma única vitória na Fase Intercontinental. Já a Sérvia, uma das fortes candidatas a pular para a Fase Final, estava em melhor situação, com três triunfos e a quarta posição geral.

Este cenário, porém, não foi decisivo no encontro desta sexta-feira (15), na abertura da última semana da etapa classificatória. Com Ebata inspiradíssima e dona de 24 pontos, o time de Masayoshi Manabe complicou a vida das oponentes ao marcar 3 sets a 1, parciais de 25/17, 10/25, 25/17 e 25/19.

Enquanto a camisa 14 do Japão roubou a cena em Macau (CHI), as atacantes de Zoran Terzic tiveram dificuldades para furar a sempre enjoada defesa nipônica. Malagurski esteve tímida. Rasic, pelo meio, foi a melhor opção para Ognjenovic. Bjelica, que entrou apenas no final, também teve um bom aproveitamento e marcou 6 pontos.

Mas o Japão, apesar de ter tido uma forte marcação pela frente, usou mais a cabeça e errou menos. Também foi mais feliz na virada de bola. Com isso, as asiáticas foram a oito pontos na tabela e chegaram à nona posição. As europeias, por sua vez, não saíram dos 11 e nem do quarto posto, posição que pode mudar no decorrer da rodada.
 
Neste sábado (16), os dois times disputam a segunda partida em Macau. O Japão tenta emplacar a terceira vitória no torneio contra a Coreia do Sul. Já a Sérvia tem briga direta com a China para seguir com chances de embarcar para a Fase Final. Uma derrota pode afastar de vez as meninas de Terzic de Tóquio (JAP).

fonte: saque viagem

domingo, 3 de agosto de 2014

GRAND PRIX 2014: BRASIL ATROPELA A ITÁLIA

Divulgação/FIVB

A seleção brasileira feminina de vôlei conseguiu a segunda vitória consecutiva no Grand Prix. Neste sábado (02.08), o Brasil superou a Itália por 3 sets a 0 (25/21, 25/16 e 25/15), em 1h14 de jogo, no Pala Serradimigni, em Sassari, na Itália. O time verde e amarelo, atual campeão, está no grupo C, que além das italianas, tem a China e a República Dominicana. Na estréia, as brasileiras venceram as chinesas por 3 sets a 1. 

O Brasil, maior vencedor do torneio com nove títulos, voltará à quadra às 12h30 (horário de Brasília) deste domingo (03.08) para enfrentar a República Dominicana. A partida terá transmissão ao vivo do SporTV. 

A ponteira Jaqueline foi a maior pontuadora do confronto, com 16 acertos (14 de ataque e dois de saque). Companheira de posição de Jaqueline, Fernanda Garay também pontuou bem, com 13 pontos.
Ao final da partida, a bicampeã olímpica Jaqueline comentou a atuação das brasileiras e elogiou o grupo. 

"O mais importante é a evolução gradativa da equipe. Sabemos que o campeonato está apenas começando e os times estão se ajustando. Conseguimos três pontos que serão importantes para a classificação final, mas sabemos que ainda precisamos evoluir. Hoje, nossa defesa e o passe funcionaram e isso gerou bons contra-ataques", analisou Jaqueline. 

A ponteira Fernanda Garay também aprovou a atuação do time brasileiro e comentou sobre o adversário de amanhã, a República Dominicana. 

"Nossa equipe entrou forte desde o começo e conseguimos ditar o ritmo do jogo. Saímos de quadra com a sensação de dever cumprido. Agora, já temos que pensar na República Dominicana. Elas têm muita potência de ataque e não podemos deixar elas gostarem do jogo", disse Fernanda Garay. 

O treinador José Roberto Guimarães falou da dificuldade de enfrentar a Itália e da importância dos três pontos para o Brasil.
"A Itália é um time que não é alto, mas tem muito volume de jogo. A força do time delas é esse volume. Perdemos um pouco de paciência no início da partida, mas depois fizemos o nosso jogo. É importante disputarmos partidas como essa para ajustarmos nosso sistema. Com o decorrer da partida, conseguimos nos ajustar e conquistamos um ótimo resultado", garantiu José Roberto Guimarães.

O JOGO

A partida começou equilibrada. Bem nos ataques, a Itália fez 12/10. O Brasil cresceu de produção e em um ponto de bloqueio virou o marcador (18/17). Com um eficiente contra-ataque da ponteira Jaqueline, as brasileiras abriram três (23/20). O time verde e amarelo se destacou na defesa, segurou a vantagem até o final e venceu a primeira parcial por 25/21.

A Itália voltou melhor para o segundo set e fez 4/2. As italianas foram para o primeiro tempo técnico com dois de vantagem (8/6). Com dois aces da ponteira Jaqueline, o Brasil virou o marcador (12/10). Já na segunda parada técnica, a vantagem era de três pontos do Brasil (16/13). Bem no saque e no bloqueio, o time verde e amarelo fechou o segundo set em 25/16.

O Brasil seguiu melhor no terceiro set e abriu três (7/4). Com uma boa sequência de saques da central Thaísa, as brasileiras fizeram 13/9. A ponteira italiana Caterina Bosetti errou um ataque e o time visitante foi para a segunda parada técnica com cinco de vantagem (16/11). O Brasil seguiu melhor até o final e venceu o set por 25/15 e o jogo por 3 sets a 0.

EQUIPES

BRASIL – Dani Lins, Sheilla, Jaqueline, Fê Garay, Thaísa e Fabiana. Líbero – Camila Brait
Entraram: Monique, Fabíola e Natália
Técnico: José Roberto Guimarães

ITÁLIA – Centoni, Ferretti, Cristina, Piccinini, Arrighetti e Del Core
Entraram: Diouf, Signorile, Fiorin, Folie e Caterina
Técnico – Marco Bonitta 

fonte: cbv